Hoje, quando olhamos para as eleições temos dificuldade de entender: por que precisamos votar já que vivemos tempos em que parece que o errado tem mais valor que o correto? A cada dia nossa política parece se tornar especialista em corrupção. Não entendemos como podemos participar e ainda somos forçados a acreditar que nosso voto não tem valor algum.

Desafio você a pensar: realmente você já votou de forma coesa e coerente? Pois de uma forma geral, o que percebo é que a pessoas simplesmente votam pela obrigação, não compreendem o valor que isso possa ter, como se o Brasil já não tivesse mais jeito.

Vamos analisar!

Na atualidade, quando queremos contratar algum serviço sentamos à frente do computador, acessamos algum mecanismo de busca e pesquisamos as melhores opções. Pois, queremos o melhor e mais em conta!

Até mesmo quando contratamos algum prestador de serviço, buscamos referências na internet, ou seja, a atualidade nos deu a oportunidade de fazer escolhas mais assertivas. Mas, por qual motivo não fazemos isso quando se trata da política?

Penso eu, que votar seja também assim. Temos que escolher o melhor e que de fato tenha boas ideias e planos para o governo e que já não tenha apresentado maus resultados passados. Não é falar para votar em um ou em outro, mas sim investigar um candidato que não tenha um histórico que o desqualifique, mesmo que seja um novo candidato, temos como conhecer um pouco sobre ele, e assim votarmos de maneira mais consciente.

Se você entrar na ferramenta de busca da internet e o nome que você digitou vir com uma série de delações ou notícias que demostrem que ele é desonesto, por que você votaria nele? Pois, apesar do artigo 15º da Constituição Federal apresentar vários motivos para uma pessoa se tornar impossibilitada de ser eleita, parece que há alguns que ainda conseguem uma “brecha”.

Em todo caso, sempre acreditei que é dever de cada cidadão também fiscalizar. Como a justiça tende a ser cega e lenta, podemos prevenir algumas situações se descumprir com a Constituição e não eleger aqueles que porventura já cometeram algum tipo de erro ou agiram contra o bem comum.

Votar não é um ato simples, pelo contrário, é algo que exige muita responsabilidade, e também não acaba nas urnas. Ao contrário do que muitos pensam, não poderíamos eleger alguém e deixá-lo lá para fazer o que quer. Precisamos fiscalizar, afinal somos sociedade e é papel de todos zelarem pelo cumprimento dos direitos e deveres da nação, estados e municípios. Se aquele que foi eleito (contratado) por você, precisa cumprir com o que foi acordado no voto (assinatura do contrato), você como eleitor (patrão) deve acompanhar o trabalho deste seu mais novo funcionário e também ajudá-lo no exercício do mandato.

Se porventura, não foi o seu escolhido que entrou, você enquanto cidadão tem todo direito de realizar a mesma fiscalização e cobrar. Depois de eleito ele não representa só aqueles que os elegeram, mas sim toda a sociedade.

E acredite! Seu voto faz a diferença, se não fizesse eles não lutariam tanto por ele. Para isso ficar ainda mais claro apresento aqui um exemplo que aconteceu em Santa Catariana, se buscarmos na internet encontramos muitos outros:

G1 Diego Amaro

 

Então, não se deixe enganar! Não prejudique uma nação que já está tão fragilizada, cumpra com seu papel de cidadão e entenda de uma vez por todas:  vivemos em sociedade! Só vamos tornar o Brasil no país que queremos se nós formos a mudança que o país precisa. Não espere que o outro vá resolver, comece por você. As eleições estão chegando, leve isso a sério e não a trate como uma partida de futebol, pois no final que quem perde somos todos nós. Vamos, em 2018, mostrar que somos uma nação que tem jeito. Para que as futura gerações não façam piadas com a nossa passagem e sim, sintam orgulho do que nós – brasileiros que viveram no inicio do século XXI – fizemos pelo presente e pelo futuro desta nação!

+  Vão faltar cimento e cal nas reformas trabalhista e previdenciária

+   Sobre a intervenção militar: os crimes pelo porte da caneta!

Compartilhe